Em busca de um Github para músicas

Este ano estou voltando a me dedicar à música, depois de alguns anos inativo. Montei uma banda e, como já falei aqui, estou fazendo diversos cursos online no Coursera (dois deles já terminei e já publiquei reviews aqui e aqui).

Nestes cursos, estou tendo a oportunidade de compor algumas músicas (ou partes de músicas) e, há alguns dias, me lembrei de algumas gravações que fiz há bastante tempo. Meu lado software livre me perguntou “por que não disponibilizo estas gravações no Github?”. Achei que realmente seria uma boa ideia e comecei a pesquisar um site que fosse um “Github para músicas”.

Para os leitores músicos que não sabem o que é o Github, ele é uma espécie de rede social dos desenvolvedores de software. Eles criam repositórios com o código-fonte de seus softwares para que outros possam contribuir, bem no estilo software livre. Existem diversos serviços assim, mas o que fez o Github se destacar é a facilidade com que alguém pode contribuir com um projeto. Basta fazer um fork (um clone) do software e modificá-lo da forma que precisar. Depois é possível enviar as modificações de volta ao autor original, que pode aceitá-las ou não.

O serviço mais famoso de compartilhamento de músicas é o Soundcloud. No entanto ele serve apenas para compartilhar músicas, não possuindo nenhum suporte a colaboração, como envio de múltiplas faixas (uma para cada instrumento), muito menos fazer um fork.

O Indaba Music Sessions é uma parte do site Indaba Music focado em colaboração. O funcionamento dele é assim: alguém começa uma sessão com algum som que servirá de base para a música. Então outros usuários podem enviar outras faixas, com outros instrumentos, e vão colaborando até que se chegar à música concluída. No entanto, o conceito é diferente do Github, pois não há fork de sessão – você envia as faixas para a sessão original. Além disso, aparentemente não dá para ouvir todas as faixas enviadas ao mesmo tempo (mixadas). Para ouvir o trabalho completo, teria que baixar cada arquivo enviado e adicioná-los ao seu DAW.

Kompoz

O Kompoz funciona de forma bastante semelhante ao Indaba Music Sessions, com as mesmas desvantagens. A diferença é o foco nas licenças Creative Commons, que pode ser positivo para os defensores da cultura livre, ou negativo para quem prefere trabalhar com licenças copyright.

O merge.fm também utiliza o mesmo modelo de colaboração centralizado do Indaba e do Kompoz, no entanto ele parece se forcar mais na remuneração do músico. Os pontos positivos dele é que é possível ouvir todas as faixas mixadas direto do site e oferece mais opções sociais, como discussão e criação de eventos online.

Finalmente, encontrei o que estava procurando. O Soundkeep se descreve como “Github para som” e ainda “Soundkeep is a social remixing community aimed at bringing the concepts of Free Open Source Software to music“. O serviço ainda está em fase de testes, mas você já pode utilizá-lo através da versão alpha do site. Ele tem tudo o que estava procurando: é possível fazer fork de uma música, enviar várias faixas e ouví-las mixadas diretamente do site, além de controle de versão para poder ouvir a música com as faixas originais ou com as contribuídas.

Agora vou começar a selecionar o material que posso compartilhar e testar o Soundkeep para ver se ele realmente atende às expectativas. Infelizmente não poderei enviar todo o material de uma vez, pois utilizei os sons do Soundation em algumas músicas e eles têm restrições de uso. Deixo aqui o link para meu perfil no site e um convite: me siga e remixe minhas composições!